Fechamento outubro 2017

Fala galera da Finansfera!!!


Lá se vão as bruxas, as crianças e os professores e chegam Todos os Santos, os finados, a proclamação e o Zumbi dos palmares.  Outubro passou rápido demais! Quase não consegui fazer o fechamento de outubro na primeira quinzena de novembro kkkkk.





Muitas oscilações no mês então vamos ao fechamento sem delongas que eu tenho coisa pra caramba pra fazer e ainda quero escrever um monte de outras coisas ainda em novembro.




Vamos ao resumo:

  • Ações - Não realizei nenhuma compra. As maiores posições deram uma recuada enquanto as menores subiram bem e deixou a carteira com sado negativo em 0,18% mas nada que me preocupe. A Bovespa continua em alta rompendo a máxima toda hora.
  • FII -  Sem muitas novidades, EDGA11 continua sendo o pior Fundo na carteira mas mesmo assim não penso em vender agora. O interessante em FII é que um fundo pode piorar muito mas mesmo assim ainda paga alguma coisa por mês e devido a diversificação não sinto muito essa queda.
  • TD - Com o último corte da SELIC não há escapatório, vendi hoje mas lançarei apenas no fechamento de novembro então para outubro, sem novidades. 
  • Poupança - Sempre do mesmo jeito, flutuante na medida das necessidades. Será usada em novembro.
  • CDB - No news.
  • Debêntures e CRI - Recebi pagamento de juros da debêntures TCP e gostei. Até agora esta modalidade tem pago tudo muito certinho sendo uma boa alternativa pra quem renda passiva.
  • Stocks - Outubro foi um mês de grandes oscilações nas ações da minha carteira. Ao mesmo tempo que GWW explodiu após seu balanço trimestral, CVS deu uma derrubada na carteira acompanhada de GE mas a Apple não deixou barato e assim que comprei já subiu mais de 10%. Recebi meus dividendos que não foram muitos no mês mas fizeram-se presentes de qualquer maneira.
  • ETF - Já estava querendo aumentar posição aqui então resolvi comprar um ETF que estava de olho há tempos.  O RBOT da iShares. Trata-se de um novo ETF acumulativo e quando comecei a acompanhar estava 6,50 USD e comprei a 7,01USD mas agora já está passando de 7,40%. Vou comentar mais sobre ele no futuro. 
  • REIT - Bem voláteis. Já vi DLR subir uns 5% mas cair uns 10 e ficar -5%. Agora tá positivo mas mesmo assim paga bem. Uma coisa que estou analisando é em qual REIT entrar. Não estou gostando nada dos comuns e varejo, eles estão sofrendo muito. Por outro lado, os data centers sempre me chamam atenção pois eu mesmo tenho produzido muito vídeo e armazeno tudo na nuvem. Já comprei o iCloud de 200gb e não tá cabendo. Uso google drive que tá quase cheio além de Dropbox e mais uns outros então, porque motivo, razão ou circunstância este tipo de REIT não aumentaria com o tempo? Esse é um ramo que só tende a crescer no meu ponto de vista. Conversaremos mais sobre isto no futuro.


Vamos ao consolidado anual.



Por enquanto é isso pessoal. Mais informações na página Carteira.

Abraço a todos!

You May Also Like

31 comentários

  1. Grande BPM!
    Domínio novo e investimentos em alta, muito bom de ver!
    Passamos um longo período ausentes mas as causas eram nobres: aprendendo mais sobre finanças e conhecendo novas modalidades de aplicações - novidades em breve! Seguimos acompanhando você e os colegas de blogosfera -
    sucesso sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Nazareno!

      bom ter notícias novamente. Seja bem vindo de novo e conte pra gente as novidades.

      Abraço!

      Excluir
  2. Carteira bem diversificada quer em classes de ativos quer em países Brasil e Estudos Unidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é DIL,

      Cada vez mais a carteira fica diversificada e sofre menos variações, tanto pra cima quanto pra baixo. Isso acaba tranquilizando no longo prazo.

      Abraço!

      Excluir
  3. Fala BPM, parabéns pela diligência nos acompanhamentos! Se todos cuidassem assim de seu patrimônio, teríamos muito mais pessoas com liberdade financeira hoje!

    Sobre a tabela, não sei se entendi algo: vc considera os aportes e resgates no rendimento?

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande André!

      Vamos incentivar as pessoas a fazerem o acompanhamento de suas evoluções. Acho que se ao menos as pessoas anotassem tudo o que gastam pra saber pra onde está indo o dinheiro as coisas já melhorariam.

      Eu considero apenas dividendos, JCP, aluguéis e outras rendas como aporte e considero isto porque posso receber dividendos e utilizar em outra coisa. O rendimento dos ativos fica só como crescimento da carteira mesmo, por exemplo, comprei um empreendimento que falarei dele mais tarde e precisei tirar uma parte do dinheiro da renda fixa e uma parte são dividendos e aluguéis recebidos que não voltaram para carteira pois não comprei nada com eles.

      Este empreendimento não vou considerar de imediato na minha planilha pois só computo aqui o dinheiro que tem liquidez de pelo menos 30 dias e como um imóvel não tem essa liquidez então não considero aqui.

      Fique a vontade para dar sugestões.

      Abraço!

      Excluir
    2. Vamos sim BPM! Uma boa parte do meu blog é para tentar incutir na cabecinha das pessoas a importância disso rsrs

      Sobre os rendimentos, ainda fiquei com dúvida se entendemos a mesma coisa como "aporte". Para mim, aporte é algo externo aos investimentos, como salário, venda de ativos, despesas pessoais, taxas, impostos, etc... Para explicar melhor, mostro como faço a apuração do rendimento mensalmente:

      1) Somo todos meus ativos. Aí tenho a variação de um mês para outro;
      2) Possuo um controle no MS Money de receitas e despesas, incluídas nas categorias que citei acima. Retiro seu valor líquido de um subtotal do valor do patrimônio que acabou de fechar;
      3) Essa diferença eu comparo com o total do mês anterior e encontro a variação. Dividendos, aluguéis, juros, etc, já estarão nesse montante, pois eles não fizeram parte das contas de categorias e despesas, entende?

      Numericamente: o mês fechou com 1000 de patrimônio. No mês anterior eu fechei com 950. Mas nesse mês que passou, eu vendi, por exemplo, meu celular velho por 5. E tive despesas totais de 50. Um valor líquido negativo mensal, extra investimentos, de 45.

      Logo, o que "aumentou" no meu patrimônio foi (50+45) = 95, concorda? Ou seja, eu tinha 950, tudo rendeu para 1045, e como eu tive uma retirada líquida de 45, fiquei com 1000.

      O cálculo do rendimento mensal então é (1045-950)/950 = 10% (quem me dera rsrs!!!).

      Eu prefiro não complicar demais e considero esse cálculo bem eficiente para meus propósitos.

      Abraço!

      Excluir
    3. Eita, quem dera vender um celular me desse 10% de patrimônio kkkkk, brincadeira!

      Eu faço assim:
      1 - Recebo o salário e pago todas as dívidas (incluído aqui o valor do aporte mensal);

      2 - No último dia do mês eu vejo quanto sobrou na conta e aporto este valor também, logo se eu economizei até o fim do mês, meu aporte será maior. Este dinheiro que fica pra usar até o fim do mês é para despesas não recorrentes como algo que não consigo pagar no crédito e precisa ser no débito;

      3 - Pego todo o valor dos ativos (não considero meu apartamento nem coisas sem liquidez) e divido pelo valor do mês anterior.

      4 - Os dividendos, JCP e aluguéis eu considero aporte pois apesar de ser o ideal aportar sempre, pode ser que eu use eles como foi o caso de agora.

      5 - A porcentagem do aporte eu faço com relação ao total da carteira, exemplo: A carteira tá em 100k e eu aporto 1k, logo o aporte foi de 1%. Antes eu errava fazendo a relação do aporte com o aporte anterior então quando eu aportava por exemplo 100 em um mês e 1000 no outro mês dava uma variação muito grande.

      Uma coisa que não faço é calcular como cotas então por vezes, dependendo do aporte por exemplo em ações, esta categoria pode apresentar uma % maior do que realmente rendeu, entendeu?

      O que tem acontecido é que não estou aportando muito no Brasil pois estou aumentando os aportes no exterior e devo fazer isto até fevereiro aí volto para o Brasil.

      Bom seria mais pessoas com dúvidas pra gente criar um modelo e ajudar na organização. Vou dar uma olhada no seu site nessa parte.

      Excluir
    4. Hehe, os números foram muito aleatórios :)

      Deixa eu ver se entendi...

      1 - Recebeu 10.000, pagou 5.000 das dívidas e aportou 2.000, sobrou 3.000;
      2 - Desses 3.000 foram gastos 2.000 e sobraram 1.000 que também foram aportados;
      3 - Fechou o mês com 500.000 de ativos e no mês anterior era de 450.000. Essa divisão dá 11,11%;
      4 - Os dividendos e JCP estão "embutidos" no percentual de 11,1%, concorda?
      5 - O aporte foi de 4.000/500.000 (ou 450.000 - aqui depende do modelo que vc usa): 0,8%;

      Se eu captei corretamente o que vc falou, é isso. Mas como vc faz o rendimento mensal para aparecer na sua tabela? O ponto é que eu vi valores muito altos lá por causa, talvez, de aportes, e no meu entendimento, o rendimento deveria ser livre dessas variáveis.

      Nesse exemplo anterior, eu faria o rendimento assim:

      1) O patrimônio cresceu 50.000 (500.000 - 450.000).
      2) O aporte foi de 4.000. Então, desses 50.000, apenas 46.000 foram de rendimento real.
      3) Rendimento da carteira no mês: 46.000/450.000 = 10,22%. Veja que o aporte em si não entraria para calcular o percentual de rendimento. Ele seria apenas deduzido (ou somado) ao "rendimento bruto" no mês. Se no caso vc utilizasse parte do seu patrimônio, você somaria o aporte ao aumento para encontrar o rendimento líquido.

      Quando às cotas, eu acho legal para avaliar uma carteira específica. Eu faço assim na carteira de ações, para comparar com o Ibov. Tudo que eu vendo ou compro no mês eu divido pela cota atual e uso essa variável para compor o rendimento mensal da carteira.

      Mas se estamos falando da carteira global, as variáveis seriam justamente os valores que entraram nessa carteira que não estão diretamente vinculados aos rendimentos, como aportes, sobras ou faltas do salário, etc...

      Acho que estou sendo chato rsrsrs

      Abraço!

      Excluir
    5. Tá sendo chato não André, vamos explorar o assunto.

      1 - Recebeu 10.000, pagou 5.000 das dívidas e aportou 2.000, sobrou 3.000; Ok
      2 - Desses 3.000 foram gastos 2.000 e sobraram 1.000 que também foram aportados; ok
      3 - Fechou o mês com 500.000 de ativos e no mês anterior era de 450.000. Essa divisão dá 11,11%; ok
      4 - Os dividendos e JCP estão "embutidos" no percentual de 11,1%, concorda? Aqui que tenho uma diferença. Como posso gastar os dividendos e JCP (como fiz agora) então considero eles no aporte pois tem mês que posso gastar e tem mês que compro mais ativos com ele. Caso eu compute eles já no total da carteira e utilize algo então minha carteira teria um rendimento menor e o aporte seria normal. O que faço é considerar eles aporte mensal. Apesar de saber que a melhor maneira é reinvestir os dividendos, pode acontecer de eu gastar eles pois mantenho dinheiro no exterior.

      Eu trabalhei por um ano recebendo em dólar e mantive grande parte do dinheiro fora. O que faço hoje é gastar tudo o que recebo em real pra não ter que trocar dólar e nesta estratégia eu acabo tendo que usar um pouco dos dividendos.
      5 - O aporte foi de 4.000/500.000 (ou 450.000 - aqui depende do modelo que vc usa): 0,8%; ok no meu caso eu faço 4.000/500.000

      O rendimento mensal aparece calculando o montante do fechamento de hoje dividido pelo fechamento do mês anterior.

      No seu caso pelo que entendi você não calcula o aporte no rendimento mensal. (3) Rendimento da carteira no mês: 46.000/450.000 = 10,22%. Veja que o aporte em si não entraria para calcular o percentual de rendimento.) Mas acontece que no mês seguinte ele estará lá pois você comprou algum ativo que fez aumentar a carteira, concorda?

      Acho que nossa diferença é que eu calculo o aporte no rendimento mensal e você só calcula ele no próximo, seria isso?

      Excluir
    6. Vamos fechando a ideia então rsrs

      Imagine o meu portfólio como uma caixa fechada. Os dividendos e JCP são gerados lá dentro. Já salários e vendas de ativos são coisas que "entram" na caixa. E existem também os gastos que "saem" da caixa. Esses gastos podem ser compostos por parcela do salário ou dividendos. Não importa para mim, como vc disse no item 4, que parte de seus gastos vieram dos dividendos ou JCP. Foram gastos que saíram da caixa.

      Então, eu cuido apenas do que entra e do que sai e vejo o tamanho da caixa mensalmente. Assim dá para calcular o rendimento real do seu portfólio sem muita complicação. É claro que esse pensamento é útil para calcular todo o seu portfólio. Se for separar ativos de renda fixa e variável, por exemplo, eu faria o mesmo raciocínio, mas mudando as "caixas".

      Eu não tenho mais salário, mas se tivesse, incluiria como uma entrada na caixa. Para mim, não faz muito sentido o "aporte" influenciar o rendimento do portfólio. O que deve influenciar são as entradas e saídas. O aporte não poderia ser considerado rendimento no momento que foi feito, pois ele seria uma "entrada" que deveria ser descontada no cálculo.

      No mês seguinte, esse aporte já estará na "caixa" e aí o que ele cresceu, será considerado como rendimento real.

      Fazendo assim, seus rendimentos da carteira nunca terão uma variação muito grande causada por aportes, pois eles seriam desconsiderados nesse rendimento do mês em questão. Se eu quisesse acompanhar meus aportes, faria uma tabela como um percentual do meu salário para ver se estou chegando nas minhas metas.

      Abraço, BPM!

      Excluir
    7. Sim! você está certo neste ponto. Acontece que as vezes meu aporte no início do mês já compra alguma ação que sobe 10% como foi o caso de apple em outubro. Neste caso o aporte que acabou de entrar já gerou uma renda bem alta por sinal e com isso a variação sobe muito mesmo pois não tinha o valor do aporte nem do rendimento do mês sobre aquele valor.

      Eu sei que não faz tanto sentido se apenas o aporte elevar os rendimentos da carteira por exemplo: Digamos que uma carteira de 100k não tenha rendido nada e eu tenha aportado 10k, logo a carteira terá subido 10% mas não por conta de rendimentos e sim por conta de aportes.

      O fato é que eu fiquei sem paciência pra ficar calculando certinho essas variações que acontecem sempre, digo estas que acontecem quando aporto no dia 10 comprando algo mas até o dia 30 subiu mais de 7% por exemplo.

      Quanto aos dividendos e JCP já estou antecipando o que vai acontecer daqui alguns anos que vai ser retirar parte deles pra viver kkkkk. Rendeu 15k vou lá, tiro 7k e mantenho 8k e a carteira vai render ainda assim, menos mas vai.

      Ah, mais uma coisa! Não é todo mês que aporto em ações então na maioria das vezes a % que apresento lá é a de rendimento real de um mês para outro.

      Este mês foi bem atípico nos Stocks pois vendi GE com prejuízo e comprei Apple que subiu e GWW também subiu absurdo mas CVS caiu pacas então ficou praticamente elas por elas. Isto é o mercado financeiro kkkkk

      Abraço camarada !

      Excluir
    8. De qualquer maneira ano que vem não precisarei mais usar os dividendos então vou considerar somente aporte o dinheiro novo.

      Problema de começar com uma maneira de calcular as porcentagens é que depois que cresce fica difícil mudar kkkkk

      Excluir
    9. Pode ser BPM! A gente acaba se acostumando rs.

      Na minha percepção você não precisaria nem se preocupar com aportes e resgates para calcular o rendimento da carteira. Seria mais fácil só pensar naquele conceito de entradas e saídas mesmo.

      Mas tranquilo! Continuarei aqui acompanhando sua evolução!

      Abração!

      Excluir
    10. Mas então André, é sempre bom receber novas ideias. Vou pensar seriamente em adotar esse conceito a partir de janeiro.

      Se eu tiver dúvidas te pergunto depois.

      Abraço!

      Excluir
    11. André,

      Relendo aqui nossa conversa, como você trataria este tópico abaixo considerando que o aporte foi feito no início do mês e já deu rendimento de 4% digamos? Não faz sentido o aporte influenciar os rendimentos mas neste caso não faria sentido se ele sozinho não gerasse rendimento não acha? Até mesmo porque no próximo mês ele já estará sendo considerado e influenciará.

      Eu não tenho mais salário, mas se tivesse, incluiria como uma entrada na caixa. Para mim, não faz muito sentido o "aporte" influenciar o rendimento do portfólio. O que deve influenciar são as entradas e saídas. O aporte não poderia ser considerado rendimento no momento que foi feito, pois ele seria uma "entrada" que deveria ser descontada no cálculo.


      O assunto tá extenso mas eu gosto de debater os assuntos e acho até que precisamos mais disso. Muitas das vezes ficamos só enviando mensagens de: Isso aí, belo aporte, parabéns kkkkkk.

      Excluir
    12. Olá BPM!

      Esse fato não mudaria em nada a ideia. O rendimento iria ser contabilizado normalmente, uma vez que você calcula a diferença da "caixa" de um mês e do mês anterior (no início do dia 01 e final do dia 31).

      E vc descontaria as entradas (onde o aporte está contido) e as saídas (gastos). O negócio é bem simples, BPM, talvez por isso esteja causando um pouco de estranhamento.

      Veja meu exemplo numérico do primeiro comentário do dia 08/11. O aporte está considerado. E o rendimento (dele e do restante do patrimônio) é calculado a partir das diferença numérica do seu valor total de um mês ao outro.

      Pois é, é bom debater sim! Ambos aprendemos com isso!

      Abraço!

      Excluir
  4. Que beleza BPM,

    Diversificaçao nao falta mesmo, certissimo.

    Abraçao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VDC,

      Com esse empreendimento que comprei agora ficarei mais diversificado ainda kkkkkk

      Excluir
  5. Fala BPM

    Que pompa é essa em? Domínio BPM.com, férias na Grécia, passeios nas Ilhas Canárias. Longínquo os tempos em que você era apenas um humilde multimilionário de crocs que pagava chopp para os amigos =D

    Brincadeiras a parte, continuo acompanhando! Abs amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande TR!

      Eu disse que quando atingisse de patrimônio bruto 1% do seu patrimônio líquido eu compraria um domínio :)

      Seguindo seus passos sempre.

      Abraço camarada!

      Excluir
  6. Fala BPM. Com esse novo domínio agora não consigo mais acessar o blog no trabalho. Caras são chatos com alguns domínios. Mas tudo bem. Não vou deixar de acompanhar. Outubro foi um mês mais complicado pra renda variável aqui, depois de uns meses de festa. Acho que foi só o ensaio na verdade haha mas o bom da sua carteira é que a diversificação não é só aqui, é lá fora tb, então deve passar sem grandes sustos. Abraço e bom novembro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala ED!

      Esses caras de TI com essas políticas só nos atrapalham né kkkkk

      Cara o legal e olhar a maioria dos ativos tudo acima de 10% já no exterior.

      Peter Lynch já dizia, acertar 6 em 10 é um ótimo resultado.

      Abraço.

      Excluir
  7. BPM,

    Sua carteira é um bom exemplo da importância na diversificação, ainda mais agora com a queda da Selic, do CDI e também da queda nas taxas de remuneração de CDB/LCI/LCA.

    Em janeiro eu consegui taxas de 96% para LCI de 1 ano, agora está em 92%. Estou pensando em realocar no TD, NTNB- Princ.

    Abraços,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois e Rosana,

      A gente vem estudando e executando os estudos e chega uma hora que ficamos bem tranquilos pois os ensinamentos aplicados nos faz ficar assim.

      Lembro que quando fiz 10 anos de formado me perguntei onde queria estar em 10 anos. Se queria estar ainda sem uma boa reserva desinteirou ou se queria viver de rendimentos e foi aí que mudei completamente os hábitos.

      Minha carteira tá bem tranquila e tende só a melhorar.

      Abraço.

      Excluir
  8. Muio interessante esse ETF RBOT, já entrou no meu radar :)

    ResponderExcluir
  9. Olá BPM,

    REIT bom é logístico e data center. Escritórios como terceira opção. Os outros estão sofrendo.

    Go, Trump!

    Abçs!

    ResponderExcluir
  10. Milhao, vc que sabe tudo, trabalho para uma empresa Chilena via contrato sem vinculo empreg e moro no BR. Recebo todo mes na conta dum banco de lá em pesos, declaro no carne leao...
    a melhor maneira de trazer pro Brasil é via banco mesmo? sabe de algum outro meio mais eficiente com menores taxas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anonimo,

      Estou longe de saber tudo kkkkk. Quanto a trazer o dinheiro para o Brasil eu aconselho fazer via banco mesmo. Neste caso você poupa trabalho na hora da transferência e também pra declarar isso pra receita. Dependendo do valor e de quanto tempo você vai ficar recebendo, seu patrimônio e sua movimentação vão aumentar muito e você tendo uma maneira de entrada de dinheiro já pagando o iof na fonte, ou seja, na hora da transferência evita dores de cabeça. Mesmo lançando no carnê leão a receita ainda pode te jogar na malha e te questionar tudinho.

      Mas caso queira economizar alguns centavos por peso, tem ai as transferwise da vida que fazem isso pra você. No meu caso sempre usei o BB pela praticidade.

      Excluir

Deixe aqui seu comentário, colabore com a comunidade rumo à independência financeira!

Siga o BPM!